Histórico
Votação
Dê uma nota para meu blog


Outros sites
UOL - O melhor conteúdo
BOL - E-mail grátis







Presentes chineses

Minha última semana de estágio começou com a volta das férias.  À medida que as meninas chegavam de férias, deixavam em cima de cada mesa guloseimas trazidas de suas cidades-natal. No Brasil a gente costuma dar bombom ou algum outro tipo de doce, concordam? Aqui os presentes são um pouco diferentes. Vejam as fotos:


1) Quando eu cheguei e vi esses sobre a mesa, fui com a maior “boca boa” achando que eram frutas secas (eles comem muita fruta seca por aqui e geralmente são deliciosas), mas aí não tinha muito gosto de fruta. Perguntei depois o que eram...batatas! Batatas secas. Não é tão gostoso quanto seria se fossem frutas, mas também não é ruim.

2 e 3) Pacotinhos com peixe desenhado do lado de fora. Dentro havia uma espécie de massa de peixe (com espinhas e tudo) com muito tempero, principalmente pimenta...não gostei.

4) Parecem duas balinhas, mas, são carne (!!!) apimentada e seca...não gostei também, não...hehe

5) Nozes com gergelim! Eu já havia provado isso dentro do avião quando fomos pra Pequim e é um dos meus petiscos favoritos desde então. Comi todo o pacotinho que eu ganhei, na mesma hora, esses aí são apenas uma amostra que retirei do pacotão que comprei no supermercado. É delicioso!

6) O chefe me chamou na sala e disse que tinha uma “small food” pra mim. Chegando lá, ele me deu dois potinhos, disse que era um para mim e outro para o meu marido. Esse eu nem precisei perguntar, ele já disse que eram de soja cozida. Ele ainda complementou dizendo que ele não gosta de soja, mas que essa é realmente deliciosa. Ainda não provei.

7)Pacotinho misterioso...dentro havia algo ainda mais misterioso...uma mistura de algum tipo de carne com temperos, eu acho...também não gostei.

Está faltando um presente na foto, uns biscoitinhos crocantes, não sei do que eram feitos, mas eram deliciosos! Quando tive a idéia de tirar fotos, eu já havia comido todos.

 


8) Demorei a ter coragem para provar. Do lado de fora está escrito “Shanghai Famous Snack”...até aí tudo bem... desanimei quando li o outro lado do pacote: “Chinese Pepper”...ah, não...pimenta? Sim, um tipo de biscoito grande e com uma forma não muito apetecível, feito de pimenta.

9) As duas caixinhas foram presentes que o Fre ganhou. Um rapaz lá da empresa se casou e levou na segunda-feira as lembrancinhas de casamento pra todo mundo. Dentro de cada caixinha havia 2 gotas de chocolate Hershey's (bem ocidental, não?).

Agora vejam alguns dos petiscos fora das embalagens:



Minha companheira de experimentos não foi na segunda, então eu aproveitei pra render bastante nos meus deveres de tese. Na terça ela chegou e trabalhamos um pouquinho pela manhã, mas foi só. No restante da semana não fizemos mais nada no laboratório porque ela pegou um resfriado. Na quinta-feira fui pedir um certificado para o chefe, ele fez na mesma hora, mas ainda tinha que ir à secretaria para carimbar (tudo aqui tem carimbo), então pediu que passasse em sua sala na sexta. No fim desse dia a Ning confirmou se eu viria na sexta porque eles tinham um presente especial pra mim! Ahhh! Mal pude me conter de tanta felicidade e curiosidade! Puxa...ia ter que esperar até o dia seguinte?... Fiquei super curiosa!


Na sexta-feira, último dia de estágio para a Ju e eu, separei umas fotos de alguns lugares que conheci na China para elas verem. Elas gostaram muito. Mostrei fotos do meu casamento e elas amaram! Acharam tudo tão romântico! Hehe


O pessoal do laboratório da Ju nos convidou para um almoço especial nesse dia, até o chefe do laboratório participou! Foram 2 horas de muitos pratos diferentes e toda hora alguém se levantava e fazia um brinde. Foi muito legal! Comi língua de pato, arroz que vem dentro de pedacinhos de bambu, dumplings e mais um bocado de coisas que não sei bem o que são. Tudo muito bom, exceto um bolinho verde que, pelo cheiro e pelo gosto, só pode ter sido feito de conteúdo ruminal de boi... ruim demais! Abaixo, uma foto de toda a turma:

À esquerda, em pé, o professor Erjung, à sua frente a Dra. Shao e os demais são estudantes de mestrado e doutorado



À tarde eu ganhei meu tão esperado presente! Um quadro com um artesanato chinês feito de recorte de papel com os escritos: “Surplus year, every year” – Ano farto, todo ano. Fiquei tão feliz com meu presente! Para completar, todos do laboratório assinaram atrás, inclusive o chefão.Lindo!

Minha amiga chinesa Ning, meu lindo presente e eu

 

Eu com o professor Huang

 

Agora com as meninas do laboratório


 

Na despedida, minhas colegas de sala e o professor Huang ainda me levaram até o elevador. Foram muito carinhosos e atenciosos comigo. Foi um tempo muito valioso esse que passei no Instituto, principalmente pela convivência que tive com os colegas de lá. Nunca imaginei que seria tão bem recebida e que daria tudo tão certo. Deus cuidou de todos os detalhes, mais uma vez!




 Escrito por Jeanne às 18h45
[] [envie esta mensagem] []



Youku

Como a maioria já sabe, a China é o paraíso das cópias. Por aqui a gente acha cópias de diversas marcas de roupas, bolsas, eletrônicos,... algumas dessas "versões chinesas" são muito bem feitas e outras nem tanto. Mas, o interessante é que essa mania chinesa alcançou até a internet. Por aqui não se usa o popular orkut, nem o google e nem o skype, mas versões chinesas bem parecidas com eles. O msn é até usado por alguns, mas não é tão popular quanto a versão chinesa de bate-papo. Não uso nenhum desses programas e também nunca entrei no "orkut chinês", mas, na falta do bom e velho youtube, bloqueado pelo firewall chinês, virei frequentadora do Youku (http://www.youku.com/), a versão chinesa dele.


Aproveitando, coloquei abaixo o clipe de uma música que tem feito muito sucesso aqui em Xangai. É de uma banda de meninas da Coréia do Sul chamada Wonder Girls, que já está, inclusive, sendo lançada no mercado norte-americano. A Tcham III, do laboratório onde fiz estágio, disse que elas são "very hot"...hehe... Vale a pena conferir (até o final, se possível)!! No começo do clipe tem uma historinha (fácil de entender, não se preocupem) e depois vem a música, "Nobody".

 

 

Postado por Jeanne.



 Escrito por Fred às 10h58
[] [envie esta mensagem] []



Questão de estilo

Sempre me perguntam como as chinesas se vestem. Aqui em Xangai as chinesas gostam muito de motivos infantis e não se importam muito com o que combina ou não (pelo menos o que nós achamos que combina ou não). Não me admiro em ver, por exemplo, alguém com bota estampada (quase sempre com algum brilho), camiseta amarela, calça vermelha, casaco roxo, luvas listradas com bichinhos e uma enorme bolsa brilhante em forma de urso. Que visual, hein? É claro que não são todas assim, mas tem mesmo uns modelitos de arrepiar. No geral, elas usam muitas coisas com bichinhos, principalmente ursinhos. Nas floriculturas daqui você tem até a opção de dar um buquê de ursos em vez das tradicionais flores.



Agora, o modelito que mais me diverte, sem dúvida, é o do pijamão. Não é nada difícil encontrar pela rua alguém andando de pijamas e pantufas e, mesmo já tendo visto várias vezes, eu ainda não me acostumei e sempre acho graça... Imagina que legal se adotássemos essa prática no Brasil? Acordou com preguiça até para trocar de roupa? Não tem problema! Vai de pijama!


Tem até aqueles que dão um tom mais social ao look e vestem pijamas com sapato social ou sapato de salto... é verdade, eu já vi mais de uma vez!...Pena que não consegui tirar nenhuma fotinha.


As crianças usam muito chapeuzinhos ou toquinhas com orelhinhas de bichinhos, o que faz com que elas fiquem ainda mais lindinhas! Agora na época do frio as bochechas estão sempre vermelhinhas e elas vestem tantas roupas que não conseguem abaixar os bracinhos...são bolinhas de pano. Às vezes é até difícil ver a criança que existe por trás de tanta roupa. Mas, outra coisa muito engraçada é a calça que alguns pais ainda usam nos filhos. Imagine um frio de 3 graus Celsius, a criança super agasalhada, claro, mas...com o bumbunzinho de fora! Rindo a toa

Como assim?? Imagine o vento frio que está recebendo esse bumbunzinho?! Alguns ficam até vermelhinhos de frio...hehe. O objetivo é mesmo a praticidade. Com essa calça a criança pode se abaixar em qualquer lugar para fazer o que quiser. As indústrias de fraldas descartáveis não devem gostar. Parece que o uso desse tipo de calça é mais comum no interior do país, a gente ainda acha algumas crianças aqui em Xangai usando, mas são poucas, a maioria já se rendeu às fraldas descartáveis mesmo.


Por falar em roupas, depois de lavá-las você pode pendurá-las onde quiser! Se tem uma árvore em frente à sua casa, por que não usá-la como varal? Vai uma blusa em uma galho, uma calcinha em outro...bem prático! Não tem árvore? Coloca na calçada, então! Calçada deve ter!... Mas, se ficar num prédio e você tiver preguiça de descer pra pendurar a roupa, você pode fazer uma estrutura com bambus ou canos e pendurar pra fora de casa mesmo, sem problema!


Esse monte de roupas penduradas em todo e qualquer lugar foi uma das primeiras coisas que eu observei aqui em Xangai e é realmente muito normal andar pela rua (mesmo as mais movimentadas) e ver calcinhas, cuecas, blusas e tudo mais secando em árvores, cercas, fios, varais nas calçadas ou o que tiver por perto.


Privacidade não parece mesmo ser uma preocupação muito grande por aqui. Os banheiros públicos de algumas cidades não têm divisão entre os vasos (felizmente não é o caso de Xangai) e eles não têm vergonha de ficar pelados conversando horas num banheiro de academia (experiência de terceiros...heheh). No supermercado sempre olham tudo o que tem no nosso carrinho. No metrô é comum ver um lendo o jornal do vizinho. Uma vez no shopping a moça de uma loja quis ver tudo o que tínhamos comprado e ainda quis saber o quanto pagamos! Haha... Será que essas características são porque eles sempre foram acostumados a dividir? Afinal, não podemos nos esquecer que são (ou, na prática, eram...) uma nação comunista, além disso, são (e são mesmo) controlados pelo governo.


Isso me levou a pensar em outra coisa. Quais serão as características do povo brasileiro que mais refletem o governo e a história que temos? ...hum...deixa pra lá. Insatisfeito



 Escrito por Jeanne às 10h40
[] [envie esta mensagem] []



A chegada do ano do tigre

Na noite do ano novo procuramos um lugar para onde pudéssemos ir e “ver a virada” do ano chinês, mas parecia que não existia nenhuma concentração na cidade. Pensamos que talvez fosse porque as pessoas costumam passar o ano novo em suas casas, com suas famílias, então resolvemos não ir a lugar nenhum e convidamos os nossos amigos brasileiros para se juntarem a nós lá em casa. Foi uma noite muito gostosa, comemos, jogamos e conversamos.

Esse sinal que estamos fazendo com as mãos significa "Feliz ano novo!"



Durante a tarde já podíamos ver alguns fogos, que foram se intensificando a partir das 18:00h. Por volta das 20:00h já havia fogos por toda a cidade e daí até a hora da virada só foram aumentando. Para completar o espetáculo, começou a nevar na cidade. Cenário perfeito! Para onde quer que olhávamos havia fogos explodindo no ar, de todos os sons, cores e formas, e do céu iluminado iam caindo suavemente os floquinhos de neve... Inesquecível! Entendemos o motivo de não termos encontrado um lugar para ver os fogos, eles estavam pela cidade inteira!


Há uma lenda que diz que havia um monstro (Nien) que roubava os chineses e fazia várias maldades durante o Spring Festival (época da chegada do ano novo). Então um homem “muito sábio” descobriu que o monstro temia barulho de explosão e luzes vermelhas, e foi assim que surgiu a tradição de soltar fogos e acender as famosas e belas lanternas chinesas (tradicionalmente vermelhas), para espantar o Nien. Como antigamente não havia fogos, eles estouravam bambus no fogão à lenha. A Ning me contou essa lenda e me disse também que houve época em que o governo proibiu soltar fogos no Spring Festival, então havia pessoas que soltavam fogos escondidas (se é que é possível). A proibição aconteceu porque muitas pessoas se machucavam com os fogos, mas a lei foi revogada há aproximadamente 3 anos. Hoje todas as famílias podem soltar seus fogos tranquilamente. A Ning me disse que soltou fogos com seu pai e irmão. Ela disse que todos soltam fogos para trazer boa sorte no ano novo.


Os fogos não aconteceram só nesse dia, durante toda a semana podíamos escutá-los, mas com menor intensidade. Mas na quarta-feira havia novamente um espetáculo no céu da cidade e, por algum motivo ainda desconhecido pra mim, os chineses festejaram como no sábado. Fogos até mais de meia-noite. Na quinta-feira fui acordada às 6:30h com fogos, que continuaram durante toda a semana, mas em menor quantidade.


Durante a semana fomos à parte antiga da cidade, no YuYuan, onde há uma exposição de lanternas chinesas. É muito bonito! Além das tradicionais lanternas vermelhas , havia várias outras diferentes, a maioria em forma de tigre, o bicho do ano. Segundo o site Wikipédia, os chineses relacionam cada novo ano a um dos doze animais que teriam atendido ao chamado de Buda para uma reunião. Apenas doze se apresentaram, Buda, em agradecimento, os transformou nos signos da Astrologia chinesa. Os doze animais do Horóscopo chinês a que correspondem os anos chineses são, de acordo com a ordem que teriam se apresentado a Buda: rato, búfalo, tigre, coelho, dragão, cobra, cavalo, cabra, macaco, galo, cão e o javali (o mais lerdinho). Portanto, o próximo ano será o do coelho. O dia em que se inicia o ano novo segue o calendário lunar e acontece na segunda lua nova após o solstício de inverno.

Lantern Festival - Yu Yuan Garden

Vocês acham que estava cheio?


 

Ainda sobre lendas de ano novo, existe uma que diz que se deve cortar o cabelo antes do ano começar e não pode cortar nos dois primeiros meses do ano novo. Se cortar o cabelo nesse período proibido, sabem o que acontece? O tio materno morre! Dizem que os salões ficam cheios no final do ano por causa dessa lenda, mas eu não vi. É cada uma...



 Escrito por Jeanne às 13h54
[] [envie esta mensagem] []



Último dia do ano do boi

Depois de um tempo desaparecidos, voltamos!


Achei que teria mais tempo com as “férias” e tinha a intenção de atualizar o blog com mais freqüência... não deu. Na primeira semana o Fred estava se recuperando de uma gripe forte quando eu comecei a gripar também. Nada bom. Passei a semana toda em casa mesmo, escrevendo tese, espirrando, tossindo... Comecei a melhorar só na sexta-feira, após ganhar tulipas+presentes do Fre pelo Valentine's Day (adiantado)! Excelente remédio! Riso


No sábado, 13, foi o último dia do ano do boi. Cidade bem mais vazia que o normal porque todo mundo que tem família fora de Xangai (e isso é muita gente!) aproveita essa semana pra viajar e passar as festas com os parentes. Durante o dia fomos ao Shanghai Zoo, o zoológico da cidade. Estava bem mais vazio do que costuma estar qualquer lugar em Shanghai em qualquer fim de semana normal.


Eu não estava muito bem disposta ainda por causa da gripe, mas o passeio foi muito legal! Primeiro assistimos a uma apresentação dos elefantes. Os elefantes faziam muitas coisas legais e diferentes, mas eu fiquei com muita dó dos bichinhos...eles devem apanhar um tanto até fazerem tudo tão direitinho. Cada elefante tinha um instrutor e na mão de cada instrutor havia tipo um machadinho com uma ponta de metal , ele ficava batendo com essa ponta no elefante, tadinho... Tem uma hora que os elefantes vêm até a platéia para pedir comida, enquanto isso um rapaz vende cenouras já cortadas e prontas para serem oferecidas aos bichões (venda bem oportuna, não?). O pacotinho de cenouras até que não era caro e é difícil resistir àquelas trombas pidonas! Comprei um pacotinho! Era só tirar uma cenoura da sacola que lá vinha uma tromba pegar...muito bonitos esses bichos! Teve uma hora que vieram duas trombas em cima da cenoura que eu estava segurando, pra não dar briga, eu tirei a cenoura e não dei pra nenhum dos dois... um deles estava gripado e deu uma espirrada bem em cima de mim! Ainda bem q eu virei na hora...meu cabelo ficou meio molhado de meleca de elefante e a chinesada ficou rindo...hehe... foi engraçado mesmo! Ainda bem que foi o cabelo e não o rosto.



Já fomos meio tarde para o zoológico e, já que não tínhamos muito tempo, saímos em disparada para ver logo o panda (que, a propósito, é o tema deste blog!). O primeiro que vimos foi o panda gigante. Ele é realmente grande e fica num lugar cheio de bambus e com uma estrutura de paus no meio, formando algo parecido com uma mesinha. Ele ficava andando lentamente de um lado para o outro e parecia fazer poses para nós. Muito bonito! Depois fomos procurar a atração principal do zoo nestes dias: 10 filhotes de panda, de 1 ano de idade,  que chegaram lá em Dezembro. Quando chegamos já havia um monte de gente esperando em frente à parede de vidro. Lá dentro ainda não havia nenhum panda, mas aos poucos os funcionários do zoo foram trazendo bambus, baldes com legumes e um negócio parecendo palmito e tigelas com um mingauzinho grosso. De repente, abre-se a porta e entram rapidamente os 10 pandinhas...lindos demais! Eu achei que eles fossem calminhos, mas não são. Agarravam a perna do tratador, roubavam legumes de dentro do baldinho do rapaz, corriam atrás dele... depois do frenesi inicial e de já terem comido o mingau e os legumes, aos poucos cada um deles foi achando um lugarzinho pra deitar enquanto comia bambus. São realmente muito fofos!



O zoo é muito grande e bem cuidado, mas parece que houve mais preocupação com o bem estar dos visitantes do que dos hóspedes. Isso porque há muitos lugares para as pessoas andarem, mas muitos bichos ficam em lugares completamente impróprios, com o piso todo cimentado e nada parecido com o habitat natural. O cúmulo da inadequação pudemos ver em relação aos elefantes (não os do show, mas outros).  Havia uns cinco ou mais elefantes num galpão fechado sem circulação de ar e todo cimentado. Um cheiro fortíssimo lá dentro. Cada elefante numa espécie de baia. Horrível!


Havia também um galpão, parecido com este, que tinha macacos dentro, dentre eles um gorila muito grande e com a carinha bem triste...não é pra menos. Estávamos dentro deste segundo galpão quando ouvi pessoas falando em português, era um grupo de uns 8 brasileiros que moram na Coréia e estavam aproveitando o feriado pra conhecer Xangai. No grupo havia uma capixaba (como eu!), tinha acabado de chegar do calorzão de Vitória e estava sofrendo com o zero grau daqui. Conversamos um pouco com eles e depois fomos pra casa pensando no que faríamos para esperar a chegada do ano do tigre! ...Ah, mas esta história eu vou ter que contar num outro post!



 Escrito por Jeanne às 15h30
[] [envie esta mensagem] []



Sobre férias (?!?!) e taxis

Estou de férias do estágio! Depois de 1 mês trabalhando duro, eu merecia mesmo um descanso, né?... Muito feliz Agora é a época das férias de inverno, teremos 2 semanas de recesso. No fim de semana começa o ano novo chinês!


Para os chineses, essa época do ano é como se fosse o natal para nós. Sabe aquele sentimento de estar com a família e aquele siricutico que dá perto do feriadão do fim de ano? É bem parecido com isso. Uma ansiedade no ar para a chegada do dia de viajar e a preparação para os dias de festa. Essa é a época em que a maioria dos chineses tira férias e vai para suas cidades, onde moram suas famílias. Na sala onde fico não há ninguém de Shanghai. A que mora mais perto, gasta 3 horas de avião para chegar em casa.


No último dia antes do estágio eu quis fazer um agrado para as minhas colegas e levei, para cada uma, uma caixinha de chocolates. Em cada caixinha havia uns pequenos coraçõezinhos embrulhadinhos em papelzinho rosa...so cute! Coloquei cada caixinha dentro de um envelopinho vermelho escrito “feliz ano novo”, em chinês, claro. Só soube disso depois, mas já imaginava. Depois me lembrei que esses envelopes são para eles colocarem dinheiro e darem de presente. Eles costumam dar dinheiro de presente no ano novo. Mas coube direitinho a caixinha e ficou tão bonitinho! Como estavam quase todas fora da sala, deixei uma caixinha em cima de cada mesa e fui ajudar a Ning no laboratório.


Aos poucos, as meninas foram vendo e vinham me agradecer. A Tcham III (uma das Tchans), quando veio me agradecer, já estava aproveitando o envelope para colocar dinheiro para o seu irmão. A Ning ficou toda feliz e disse que vai trazer uma comidinha bem gostosa pra mim da casa dela! Ela disse também que esse é o primeiro presente de Valentine’s Day que ela ganha...- ãhn!? Dia dos namorados?...Era pra ser de ano novo! - Não tinha a intenção de dar presente do dia dos namorados pra ninguém, mas tudo bem...ainda bem que sou casada e dei para todas elas. Se tivesse dado só para a Ning, poderia pegar mal...hehe. O Valentine’s Day é dia 14/02 e os chocolates eram em forma de coração com várias coisas escritas em chinês...que, claro, não sei o que significam, logo...é...talvez eu estivesse dando um presente de dia dos namorados pra elas sem saber. Espero que elas se lembrem que eu não sei chinês! Espero que seja comum dar presentes também para amigos nesse dia. De qualquer forma, elas gostaram muito!


Bom, como muitos de vocês ainda devem estar de férias, vou dar uma dica de filme. Hoje assistimos a um que eu gostei muito: Shanghai Kiss. É a história de um rapaz que vem para Xangai, mostra bastante coisa da cidade. Foi o máximo reconhecer os lugares! Rimos muito de várias coisas que são bem reais, como por exemplo, a dificuldade de nos fazermos entender com os taxistas, às vezes.


Me lembrei de uma vez que a Ju e eu pegamos um taxi para ir ao consulado brasileiro. Falamos o nome da rua para o motorista. Mostramos o nome da rua no mapa, mas ele não conseguiu ler porque as letras eram muito pequenas. Ele repetiu. Nós repetimos. Ele repetiu outra vez. Ok, parecia ser a mesma coisa. Tínhamos a noção de onde era mais ou menos e percebemos que ele ia em outra direção. Tem um número para o qual mandamos uma mensagem com o nome do lugar onde queremos ir e depois recebemos outra mensagem com o endereço em inglês e em chinês. A Ju recebeu o endereço no celular e mostrou para o taxista. A cena foi muito engraçada. Era pra ele ler a mensagem. Ele olhava o celular e colocava na orelha!!! – Nãaaao!!! Você tem que LER! – Apontávamos pra ele ler. Ele olhava, olhava e colocava na orelha de novo!!!!! – Ahhhhhh!! – a gente ria de desespero. Não tinha outra saída, a gente ia ter que sair desse taxi, tentar algum outro e torcer pra o novo motorista ter uma vista melhorzinha. Antes disso, tentamos pela última vez repetir o nome da rua. Ele entendeu!! Disse: “Jiang Ning Lu???” – YES!!! Jiang Ning Lu!!! – repetimos, achando que tínhamos falado isso desde a primeira vez. Ele ficou indignado. Parecia dizer algo como “Por que não falaram o nome direito?” e ficou fazendo a gente repetir o nome da rua enquanto voltava tooodo trajeto. Ele gritava “Jiang Ning Lu!” e a gente repetia, aí ele gritava de novo “Jiang Ning Lu!” e a gente repetia outra vez...isso até chegar ao consulado. A gente saiu do carro e ele ainda gritava “Jiang Ning Lu!!!!”. Chegamos cinco minutos atrasadas e o consulado já estava fechado, mas aprendemos a falar o nome da rua
...eu acho. Em dúvida

 

Dentro do Shanghai Institute of Plant Physiology & Ecology (SIPPE) no último dia antes das férias

 

Entrada do SIPPE



 Escrito por Jeanne às 23h42
[] [envie esta mensagem] []



Quem morreu?

Se você estivesse na China...


...e visse várias coroas de flores em frente a uma loja como nestas fotos, o que pensaria?

 

...e se você visse um carro como este com coroa de flores em cima?


- Já sei! O dono da loja morreu e esse é o carro da funerária!

Não, ninguém morreu!

O dono da loja deve estar todo feliz, pois é a inauguração da sua loja! Isso mesmo, quando uma loja é inaugurada aqui, eles colocam várias coroas de flores em frente à porta e as deixam lá por vários dias.


E o carro? É um chiquetésimo carro de noiva!


Assim como vemos com muitos casamentos no Brasil, por aqui também vemos muita noiva aproveitando a ocasião pra ter seu(s) dia(s) de celebridade. São álbuns luxuosos, filmagem dos noivos andando na rua, filmagem do carro em movimento, etc...

Há duas semanas fomos visitar a cidade de Hangzhou. Lá tem um lago chamado West Lake. Se estiver animado a andar e quiser dar uma voltinha no lago, você vai ter que caminhar apenas 15km! Tínhamos apenas uma tarde e conseguimos conhecer uma ilha que fica dentro do lago e andar aproximadamente ¼ do percurso. É lindo e muito bem cuidado! Desde os pequenos detalhes, como desenhos no piso, até grandes construções como a pagoda de 7 andares. Se no inverno estava bonito assim, imagino como deve ser no verão e na primavera!

Bom, se fosse no Brasil, um lugar tão bonito assim, seria ponto certo para noivos apaixonados tirarem muitas fotos. Pois aqui na China também é! Encontramos váaaaarias noivas e noivos aproveitando o cenário de filme pra tirar fotos super românticas. Conseguimos até aproveitar algumas poses para postar aqui pra vocês. Quem estiver pensando em casar, pode copiar o modelito e as poses, não tem problema nenhum, fiquem à vontade!

 



 Escrito por Jeanne às 00h15
[] [envie esta mensagem] []



Aceito encomendas

Terceira semana de estágio! Nesse tempo tenho aprendido um pouco mais sobre os chineses, mas não muito, pois o tempo que não estou no laboratório com a Ning, aproveito para escrever a tese. Na nossa sala há sete meninas, contando comigo, e todas ficam bem concentradas em seus computadores, isso tem ajudado para que eu renda bastante durante o dia. Outra coisa ao meu favor é que a Ning está ainda pesquisando sobre algumas etapas do seu trabalho, então não temos ido tanto para o laboratório.


As meninas, apesar de não conversarem muito, são muito amigáveis. De vez em quando ganho frutinhas pra comer à tarde. Talvez elas tenham notado meus hábitos não tão saudáveis... Enquanto elas comem frutas e bebem chá, eu tomo café e como bolinho de chocolate. Já ganhei banana, frutinha parecida com lichia (mas não tão gostosa quanto), laranja, biscoitinho de aveia e até bebi chazinho de cogumelo esta semana...eu acho que não era alucinógeno...será?... mas eu sempre vejo aquele cara verde por lá!! ...Enfim, eu como com gosto tudo o que elas me oferecem, mas uma ervilha mega-ultra-apimentada que ganhei anteontem foi dureza de engolir, viu...um pacotinho que cabe na palma da mão só desceu acompanhado de duas canecas de água! Essa eu vou ser obrigada a recusar da próxima vez.


Eu só não sei o nome de uma das meninas, mas eu não dei muita sorte com os nomes das outras. De cinco, três são “Tcham”: Jian, Chen e o outro ainda não sei como se escreve; mas as pronúncias dos três é algo parecido com tcham. Fui me despedir de uma delas e disse: “Bye, Tcham!”, então ela me corrigiu dizendo que "Tcham" é a outra, ela é “Tcham”! Aaaah, sim!...agora eu entendi! Insatisfeito Outro dia eu estava com as três e elas tentaram me ensinar a pronúncia dos “tchans”, não são iguais, mas a diferença é muuuuuuito sutil. Eu, por exemplo, nem percebi! Depois de muito tentar, pedi desculpa e confessei que pra mim era tudo a mesma coisa e elas era “Tcham”, “Tcham” e “Tcham”! haha... Elas riram bastante!


Na primeira semana eu fiquei feliz quando vi que no banheiro havia dois vasos, um oriental e um ocidental, poucos dias depois me deparei com uma novidade por lá
...Uma capinha de tecido no assento do vaso!?!? Ah, nem...pra quê?? Vejam com seus próprios olhos:


Pra completar, dois recadinhos, um do lado de dentro e o outro do lado de fora da porta:

 

Graças à Ju, que perguntou à sua professora, aqui está a tradução:

 

“Por favor, sente-se quando usar o banheiro!” e “Você está proibido de usar o banheiro se não for se sentar!”

 

...Quanta pressão, hein? A professora da Ju explicou que muitos chineses não gostam de banheiros onde é necessário se sentar, então eles se agacham (será que ela quis dizer que eles colocam o pé em cima do vaso?)... Bom, mas pra quem quiser fazer um xixizinho agachado, tem o outro. Em estilo oriental, no chão. Inclusive, aproveitei e tirei uma foto dele também pra vcs matarem a curiosidade:

 

A propósito, aceito encomendas para capinhas de tecido para assentos de vasos sanitários! É só falar!



 Escrito por Jeanne às 20h05
[] [envie esta mensagem] []



No alto

Sábado passado fomos conhecer os prédios mais altos de Shanghai. Todos eles ficam na parte leste da cidade, que é chamada de Pudong. O rio Huangpu separa o leste (Pudong) da parte oeste (Puxi). Essa área da cidade era coberta por plantações de arroz até pouco tempo atrás. Em 1990 começou uma revolução na região com o iníco da construção da Oriental Pearl TV Tower. Hoje abriga o centro econômico-financeiro da cidade. A torre foi inaugurada em 1995 e tornou-se a construção mais alta da China. Desde então a região virou um extenso canteiro de obras. A torre tem 468 metros e o observatório mais alto dela fica a 350 metros do chão. É o carro chefe de Pudong – está em todas as fotos. Além de ser uma torre de TV e ter mais 2 observatórios (263 e 90m) ela tem um restaurante chinês (267m) e um pequeno hotel. Não subimos nela ainda. Estou armazenando coragem pra encarar o restaurante.

Em 1998 ficou pronto o Jin Mao Tower, um prédio composto de escritórios, observatório e o hotel Grand Hyatt. São 88 andares e o topo a uma altura de 421 metros. Era, então, o maior prédio da China (torre não vale, né!).

Era início de tarde quando chegamos pra subir.  88 andares, 88 yuans, pouco mais de 20 reais. Antes encontramos o Jackie Chan, que foi super simpático com a gente. Tiramos fotos. Elevador muito rápido… vai direto de -6m até 340m em poucos segundos. A subida é suave, só o ouvido que sente um pouco a pressão e nos avisa que está acontecendo algo.  Lá do alto, além da vista de boa parte da cidade, pode-se olhar pra dentro do prédio e ver o átrio do hotel – são 115m de altura e 27m de diâmetro. Descemos e guardamos o mais alto pra noite.

Shanghai World Financial Center (SWFC) foi inaugurado em 2008 e, com seus 494m, se tornou o mais alto da China e segundo mais alto do mundo – é poucos metros menos alto que o Taipei 101 (101 andares, assim como o SWFC). Em janeiro desse ano foi inaugurado o novo prédio mais alto do mundo, o Burj Khalifa que, com seus 828m, é bem mais alto que os concorrentes. O prédio de Dubai também roubou o posto de mais alto obsevatório que pertencia ao SWFC.

O SWFC é completamente diferente do Jin Mao. A começar pelo exterior. O SWFC parece um abridor de garrafas gigante. A subida foi feita pra ser um show a parte. Ao entrar pela base do prédio parece que estamos num filme de ficção científica – sons, iluminação, funcionários. Na bilheteria temos que escolher até onde iremos. São 3 andares de observatório. Pra subir até o andar 94 paga-se 100 yuans. Pra chegar no andar 97 paga-se 110 yans e para chegar ao topo, centésimo andar, são 150 yans (quase 40 reais). Mais uma vez o ouvido sente a subida.  O elevador vai até ao 94º andar. De lá subimos de escada rolante até o 97º. O observatório deste andar é um corredor de vidro, menos o chão, em que temos a vista também ao olharmos pra cima - dá pra ver o corredor do 100º andar. Entramos em outro elevador e chegamos, finalmente, no 100º andar. Dessa vez é um corredor de vidro, menos o teto- isso a 474m do chão. Vimos vários turistas se segurando nos corredores com medo do chão transparente*. A vista noturna da cidade é sensacional. Fiquei um bom tempo parado, reconhecendo os prédios. O Jin Mao, logo ao lado, fica pequeno ao ser visto lá de cima. Nos andares abaixo têm escritórios, hotel (Park Hyatt), museu, restaurante e estacionamento.

Acabou o dia e o passeio. Deixamos pra subir a torre de TV outro dia e partimos pra encontrar brasileiros numa churrascaria brasileira. Antes, um obstáculo. O taxista simplesmente não conhecia a cidade, não sabia (mas tentava) usar o GPS e, muito menos, sabia dirigir! Se não conhecêssemos um pouquinho da cidade, sei lá onde ele teria nos levado. Ele quase causou alguns acidentes. Não estou exagerando. A barreira da língua atrapalha bastante nessas horas. Pra esquecer esse taxista novato (?) enchemos a cara de pastel e coxinha!

*Cada vez duvido mais do tal medo de altura que a Jê diz que tem. Acho que ela fica fazendo charme pra chamar atenção.

Jin Mao à esquerda, SWFC à direita

 

Vista a partir do Jin Mao

 

Jackie Chan

 

Oriental Pearl TV Tower

 

SWFC à esquerda, Jin Mao à direita

 

Vista a partir do SWFC

 

100º andar

 



 Escrito por Fred às 23h54
[] [envie esta mensagem] []



Trabalhadora também!

A semana foi cheia! Estava acostumada a ficar em casa o dia todo e ir ao estágio todos os dias foi bem cansativo. Demoramos uns 40 min pra chegar no Instituto e no horário que vamos o metrô está lotadasso! Me deram uns artigos pra eu ler esta semana, li rapidinho e fiquei o resto do tempo trabalhando na tese. Rendi pra caramba! Chego lá, sento na minha mesinha (que emoção ter uma mesa só pra mim!) e fico só escrevendo o dia todo. Na semana que vem acredito que já irei acompanhar as meninas no laboratório.

Fico em uma sala com mais 5 meninas. Elas são todas muito amigáveis! Me sinto muito bem lá. Um dia uma delas veio me falar toda feliz que uma plantinha que elas têm na sala é do Brasil! Quem diria, uma conterrânea! Não sou a única brasileira da sala! É uma Flor de Maio, não sabia que ela é original do Brasil, mas depois vi na internet que é mesmo. Outro dia cheguei na sala e tinha uma banana de presente pra mim em cima da mesa. Uma das meninas deixou uma para cada colega. Fiquei feliz por fazer parte! Geralmente a sala fica em silêncio, mas às vezes elas começam a conversar, todas juntas...fico cheia de curiosidade pra saber o que elas estão falando. Em breve já vou me sentir mais à vontade pra perguntar! Já depois do almoço o silêncio é total. Quando olho para o lado, estão todas dormindo, cada uma em sua mesa. É um hábito chinês, é muito comum eles tirarem um cochilo depois do almoço, mesmo no serviço. Algumas das meninas levam almofadinha pra apoiar a cabeça na mesa, outras nem deitam a cabeça. São uns 15 min de descanso e depois de volta ao trabalho.

As horas de almoço foram um caso à parte. A Ju e eu fomos a atração de um restaurante chinês durante toda a semana. Ninguém fala inglês lá. A professora de chinês da Ju escreveu algumas coisas pra pedirmos no restaurante e depois a gente sempre falava: “bu yao là” que significa “sem pimenta”... viramos piada. Toda hora eles ficavam repetindo a frase, olhando pra gente e rindo. Outra piada foi a gente tentando servir o macarrão com os hashis (pauzinhos)...ai ai ai...uma empurrava o macarrão para o potinho com os hashis enquanto a outra ia cortando os fios com a colher de cerâmica...um fiasco. Resultado: chinesada toda do restaurante se divertindo até às nossas custas...a gente ria também, né...fazer o quê? Lá para o meio da refeição a atendente levou garfos pra gente...devia ter levado facas, mas já ajudou. Nesse dia não fomos bem sucedidas com a comida, pedimos um negócio pela foto e não era muito bom. A comida do vizinho estava com uma cara ótima! Chamamos a garçonete e pedimos pra ela anotar num papel o nome da comida do moço. Ele achou muita graça. A mulher anotou, mas não entendeu direito e fez o pedido da comida...tivemos que trazer a marmitinha pra janta. No outro dia foi o contrário, fiz um pedido que não chegou. Depois que já tínhamos comido tudo e cansado de esperar pelo outro prato, gastamos todo nosso chinês com o cara (acho que é o dono) e entendemos que ele não tinha feito o pedido. Depois ele quis saber de onde somos e dissemos: “Baxí” (Brasil)...Ele gostou. Ficava repetindo “Baxí! Baxí!”....”Lonado!” (Ronaldo), contando para o pessoal das outras mesas...foi muito engraçado! Agora quando a gente chega no restaurante todo os atendentes já começam a rir.

Hoje o Fre e eu fomos a um museu muito legal, o Museu de Ciência e Tecnologia. A área do museu é muito grande. Tem atração para todos os gostos! Começamos com uma área cheia de animais dos 4 cantos do mundo, os bichos eram tão perfeitos que até estou em dúvida se eram empalhados... mas não devem ser...mas eram muito bem feitos! E eram reproduzidos os sons dos animais também, muito legal! Depois vimos insetos, aranhas, robôs, mais coisas relacionadas à tecnologia, salas sobre assuntos relacionados à saúde, princípios físicos e mais um monte de coisa! O bacana do museu é que ele não é um espaço pra ser visto e sim pra se participar. Há muita coisa interativa e que ajuda a entender na prática do que se trata o assunto. Isso torna tudo muito mais interessante! O resultado é o melhor possível, museu cheio de jovens, velhos e crianças, todos se divertindo e aprendendo ao mesmo tempo.

Depois fomos conhecer uma rua famosa da cidade, Xin Tian Di. Que lugar legal! Um monte de restaurantes de diversos países, inclusive um “Latina”, brasileiro. Uma rua super bonita e cheia de opções! Jantamos num restaurante tailandês. Tivemos o cuidado de pedir comidas não apimetadas, mas fomos surpreendidos pela salada! Minha nossa...estava saindo fogo pela minha boca! E não adiantava beber refri por cima...a pimenta não saía por nada! Ainda bem que o prato principal não estava apimentado e era adocicado...mas demorei a perceber o gosto...boca pegando fogo! Devíamos ter usado o “Bu yao là”!

 

Fiz 4 em 5 gols nesse simulador do Museu...a torcida foi à loucura!!

 

As crianças vidradas no robozinho


O Fre interagindo

 

Muuito legal! Os chineses em volta acharam engraçado quando meus cachinhos subiram




 Escrito por Jeanne às 01h44
[] [envie esta mensagem] []



Feliz ano novo!

Vocês se lembram que na semana passada estávamos congelando nos -15ºC de Pequim enquanto aqui em Xangai nevava com temperatura positiva, né? Pois bem, neste fim de semana em Pequim estava menos frio do que na semana passada e nevando adoidado! Inacreditável. Entretanto, se fosse pra pegar essa nevasca que está caindo em Pequim, seria melhor mesmo não termos visto a neve. A situação está crítica, vôos cancelados e tudo mais. Se estivesse assim na semana passada talvez nem tivesse dado para conhecermos tantos lugares legais, então, que bom que não nevou! Riso


Nossa virada de ano foi no restaurante brasileiro “Latina”. As ruas de Xangai estavam lotadas, havia alguns palcos montados pela cidade com apresentação de artistas famosos. O Latina fica perto de onde estava um dos palcos e, entre outras atrações, teria a apresentação de uma cantora (li na net que ela é super famosa) chamada Gigi Leung, daí eu até me preparei: baixei o CD da moça na internet (é legal!) e fiquei ouvindo o dia todo pra fazer bonito à noite e cantar junto! Mas não deu...nem vimos show nenhum. O povo foi todo pra rua e foi um sacrifício achar um taxi! O lugar é meio ruim pra ir de metrô e por isso optamos pelo taxi. Mas o metrô também devia estar uma tristeza!


Depois de sermos rejeitados por um taxista muito indeciso, finalmente achamos um taxi vazio e que nos levou onde queríamos. Chegamos já tarde no Latina e tivemos que nos servir às pressas, pois a cozinha ficaria aberta só até 23:30h. Fui me servir num desespero...como se o mundo estivesse acabando. Acabei colocando comida demais...gula. À meia-noite, fogos, balões e muito papelzinho colorido. Primeira música do ano: “Ele é o bom, é o bom, é o bom...” (Roberto Carlos)....ok, isso a gente esquece. Restaurante brasileiro tem que ter o quê? Morena sambando com fantasia de carnaval, claro!...Peraí, tem mesmo? Ok, isso a gente também esquece...a cara dos gringos bobos babando na morena de biquíni a gente esquece também.


O ano novo chinês não é agora, é comemorado na segunda lua nova depois do solstício de inverno, que vai dar este ano no dia 14 de Fevereiro. Entretanto, Xangai é bem ocidentalizada e não deixou passar em branco o nosso ano novo, promovendo festas por toda a cidade, como eu já disse. Engraçado é que as ruas estavam lotadíssimas antes da meia-noite, mas foi só o ano virar que foi todo mundo embora! Quando saímos do Latina tinha pouca gente na rua. Foram ver a virada na rua. Viram e voltaram. Simples assim. Dizem que no ano novo chinês eles soltam fogos o dia inteirinho por 1 semana...sem parar! Já pensou? Depois que eu vir isso de perto, falo se é verdade ou não.


Passamos o feriadão passeando aqui por perto mesmo. Dentre outras coisas, conhecemos o Bund (um lugar super famoso e bonito de onde se tem uma bela vista de Pudong, mas que está passando por várias reformas para a Expo 2010 e por isso não está tão legal assim), fomos a um parque próximo de casa que queríamos conhecer fazia tempo, almoçamos em um outro restaurante brasileiro, o “Brasil Steak House” (dois garçons sulistas bem simpáticos ficaram conversando com a gente), e fomos pela segunda vez à Shanghai Community Fellowship, uma igreja interdenominacional que tem mais de 2000 pessoas de 60 países diferentes!


Hoje começamos o nosso estágio, a Ju e eu. Vou acompanhar os experimentos de uma chinesinha muito simpática e que fala bem o inglês. Estou feliz pela oportunidade de aprender um pouco de biologia molecular e de fazer amizades chinesas! Nas proximidades do instituto só há restaurantes chineses e no que fomos hoje o cardápio era todo escrito com ideogramas...ótimo. Pra fazer o pedido, ficamos apontando os desenhos na parede...a gente se vira, mas não fica com fome, não!

 

A turma reunida na virada do ano


 

Ao fundo, a região de Pudong (parte leste da cidade)

 

Zhongshang Park

 

Que fofura!

 



 Escrito por Jeanne às 23h11
[] [envie esta mensagem] []



Caminhando sobre a história

Nosso domingo começou cedo, com a visita à Cidade Proibida. Já na entrada um rapaz perguntou se queríamos um guia. Após negociações, fechamos com o Michael (nome ocidental que ele mesmo inventou, claro), o chinês simpático (com boné da Argentina!) que nos conduziu pela linda Cidade Proibida, também conhecida como Palácio Imperial (ou Museu Imperial) – declarada Patrimônio Mundial da Humanidade em 1987 pela UNESCO.


Por aproximadamente 500 anos, a Cidade Proibida foi a residência de 24 imperadores (14 da Dinastia Ming e 10 da Dinastia Qing), suas famílias e servos, ela era proibida para os chineses comuns, daí o nome. Caso uma pessoa não autorizada entrasse no Palácio, morreria ela e sua família, segundo Michael. Assim foi até 1912, quando o lugar deixou de ser o centro político da China, após a abdicação de Pu Yi, o último imperador da China. O Museu Imperial foi estabelecido em 1924, fechou depois por causa da invasão japonesa na China e voltou a abrir em 1965! Ou seja, a abertura não faz muito tempo. A história é recente. Na verdade, acredito que o melhor da história na China ainda está acontecendo e que muitas transformações importantes estão por vir! Voltando à história passada, mesmo que recente, ainda bem que o primeiro ministro mandou um batalhão para guardar a cidade durante a Revolução Cultural de 1966, senão muito provavelmente não haveria nada hoje para visitarmos!


A Cidade é muito grande e tem 9.999 quartos! O 9 é o número da sorte dos imperadores e muitas coisas estão relacionadas a ele. Por exemplo, nas pontas dos telhados há pequenos dragões e o número deles representa a importância da construção, os mais importantes, os utilizados pelo imperador, têm nove dragões em cada ponta do telhado. O prédio da imperatriz tem apenas 7, pobrezinha...e tem vários desenhos da fênix, seu símbolo, e de vários dragões. O dragão simboliza o imperador e ele está em toda a parte: esculpido em escadas, pilares, desenhado em telhas...um olhar mais minucioso e é possível encontrar pequenos dragões em qualquer lugar. Outro símbolo muito encontrado é o leão, o que representa o imperador tem uma bola sob a pata direita (uns dizem que é o mundo, outros dizem que é uma romã – que simboliza poder, outros dizem que é uma pérola originada de uma gota da saliva do leão...) e o que simboliza a imperatriz tem um filhote de leão sob a pata esquerda.


O imperador tinha 72 concubinas e Michael contou que elas brigavam muito entre si...claro! Talvez isso tenha influenciado os nomes das construções, quase todas evocam a harmonia: Portão da Harmonia Suprema, Salão da Harmonia Central, Salão da Preservação da Harmonia... Além disso, tem um cristal imenso no pátio do bairro imperial para trazer adivinhem o quê? Harmonia!...Tudo em vão! Impossível ter harmonia com uma imperatriz (às vezes mais) e 72 concubinas! É mulher demais!


No jardim imperial, duas lindas árvores com galhos entrelaçados simbolizam o amor e foram o cenário para a primeira foto do último imperador e sua imperatriz após o casamento, na plaquinha diz: “Nós desejamos voar no céu, dois pássaros com um par de asas, e crescer juntos na terra, duas árvores com galhos entrelaçados.”... Romântico, não? É claro que tirei uma foto lá com o Fre!
Nos despedimos do nosso guia Michael, fizemos um lanche e fomos explorar a Tiananmen Square (Praça da Paz Celestial), a maior praça do mundo, com 440.000 metros quadrados. A área inclui a Cidade Proibida, o Tiananmen Gate (com a foto de Mao Tse-tung), o monumento aos Heróis do Povo, o mausoléu de Mao, a Assembléia Nacional, o Museu Nacional de História e da Revolução, o Portão Zhengyang, o Qianmen e mais algumas outras construções... Coisa pra caramba!


O Portal com a foto de Mao é o que dá nome à praça: Tiananmen = Portão da Paz Celestial. Ele foi construído há mais de 500 anos, mas desde então já foi destruído e reconstruído diversas vezes. Hoje é o símbolo da China moderna e da República Popular da China, com a foto de Mao Zedong (Mao Tse-tung) estampada bem no centro de duas frases, à esquerda: “Vida longa à República popular da China”, à direita: “Vida longa à grande unidade dos povos do mundo”.

A Praça da Paz Celestial, hoje cheia de turistas chineses e estrangeiros, não faz jus ao nome quando relembramos o massacre do qual ela foi palco não faz muito tempo, em 4 de Junho de 1989, os números variam, mas alguns chegam a informar 3 mil mortos. Quem se lembra da famosa foto (e do vídeo) de um rapaz parando tanques de guerra no meio da rua? (Uma busca rápida na internet e vocês encontrarão diversas fotos e vídeos, aqui pra mim é mais difícil) Isso aconteceu no dia 5 de Junho de 1989 e o rapaz, que ficou conhecido como “o rebelde desconhecido”, foi eleito pela revista americana Time como uma das pessoas mais influentes do século XX, mas até hoje não se sabe quem ele é e nem se está vivo ou morto. O mais surpreendente é que muitos jovens chineses não conhecem essa parte da história.

Tentamos ir visitar depois o famoso Templo do Céu, dizem que é o templo mais bonito da China. Pedimos informação na praça e um homem escreveu para nós o nome em chinês. Mostramos o nome ao taxista e ele desandou a falar um monte coisa em chinês... Dissemos que não entendemos e continuamos parados dentro do carro, olhando pra ele... ele andou até a esquina e apontou para a direita. Descemos ao lado de uma estação de metrô e ficamos sem saber o que o motorista queria dizer com aquilo tudo. Como já não estava tão cedo, estávamos cansados de tanta andança e ainda iríamos embora naquela noite, o medo de ser longe e acabarmos perdendo o voo desanimou todo mundo de continuar a procurar... menos eu, fiquei extremamente frustrada de não ir ao Templo do Céu, principalmente depois que chegamos em casa e eu vi no computador que estávamos tão perto! Ele ficava a umas duas quadras de onde estávamos! aborrecido Era isso que o motorista queria dizer? E por que ele não nos levou até lá????? Ai...que raiva!


À noite, de volta a Xangai! Ah...que maravilha é Xangai! Os taxistas são uns loucos no trânsito, mas sempre param para nós e conhecem os nomes das ruas! Há diversos restaurantes de comida ocidental espalhados por toda a cidade!... Que bom estar de volta!

 

Esta construção não é das mais importantes, tem apenas 5 dragões

 

O imperador

 

A árvore do amor

 

O Tiananmen

 

Na praça, ao fundo o Monumento aos Heróis do Povo e Mausoléu de Mao Tse-tung



 Escrito por Jeanne às 11h48
[] [envie esta mensagem] []



Quanta coisa linda!

Fechamos um passeio com guia que fala inglês e ônibus para dois lugares um pouco mais distantes da cidade: Ming Tombs e a Grande Muralha.


Antes do Ming Tombs, uma paradinha num lugar onde são produzidas (e, claro, comercializadas) jóias e estatuetas de jade. Não achei muita graça, mas aprendi a diferenciar uma jade verdadeira de uma falsa...caso precise algum dia.


Mais um pouco no ônibus e chegamos. O Ming Tombs é um lugar onde estão os túmulos de 13 dos 17 imperadores da Dinastia Ming. Apenas dois deles são abertos à visitação: Changling (o maior deles) e Dingling.

Fomos ao Changling, o mausoléu do imperador Chengzu, morto em 1424 e terceiro imperador da Dinastia Ming, e de sua esposa Xushi. A área de 120.000 metros quadrados é composta pela estrutura subterrânea (ainda intacta) com o túmulo propriamente dito e relíquias do imperador, e a estrutura superficial: dois portões muito grandes e bonitos, o palácio com a estátua do imperador (onde os chineses depositam ofertas) e a torre (atrás dela, no chão mesmo, estão enterrados o imperador e sua esposa). Os portões e o palácio das construções do mausoléu têm telhado amarelo, assim como as construções do Palácio Imperial (Cidade Proibida).


O outro mausoléu, o Dingling, foi escavado com o objetivo de ser um ensaio para a escavação de Changling. A escavação teve início em 1956 e foi encontrado o túmulo intacto com milhares de utensílios e os esqueletos do imperador e suas duas imperatrizes. Os utensílios foram mal armazenados e a maioria foi perdida, os que restaram estão muito danificados e são exibidas réplicas no museu em vez dos originais. Quanto aos esqueletos, foram queimados na Revolução Cultural de 1966. Depois desses trágicos acontecimentos, a República Popular da China não escava mais qualquer local histórico. 


Nesse dia estava ainda mais frio e havia um casal de franceses em nosso ônibus que não estava muito bem agasalhado. Os dois ficavam pulando e correndo pra ver se conseguiam se aquecer, mas não deu, voltaram para o ônibus antes de todos, coitados. Estava mesmo frio demais!


Depois do mausoléu,
passamos em um lugar onde nos falaram um pouco da medicina chinesa e dois médicos chineses usaram uma técnica deles para detectar doenças. A técnica consiste em acompanhar a circulação do pulso com 3 dedos no braço direito e 3 dedos no braço esquerdo. O médico não acertou nada comigo e nem com o Fre. Já “consultados”, hora do almoço! Na mesa redonda, vários pratos da culinária chinesa. Estava muito gostoso, exceto o tofu. Almoçados, fomos para a parte mais esperada do dia: a Grande Muralha!


A Muralha da China tem ao todo mais de 8000 km e demorou mais de 2000 anos para ser construída, desde 476 a.C. até 1644. A princípio alguns estados construíram muros separadamente para proteção contra invasões de povos do norte, como os mongóis, depois houve unificação dos estados e o imperador ordenou que ligassem as partes do muro já construídas e que o ampliassem. Muitas pessoas morreram durante a sua construção devido ao trabalho pesado e às condições difíceis. Atualmente muitas partes da muralha estão em ruínas ou desapareceram, mas ainda há muitas áreas conservadas e já preparadas para receber os turistas. Visitamos a seção de Badaling, a aproximadamente 60km de Pequim.


Em Badaling, o muro tem 7,8m de altura e 5m de largura. Até o ponto mais alto são 8 pontos, do primeiro ao terceiro fomos de ônibus, do terceiro ao quinto utilizamos um carrinho sobre trilhos, do quinto ao oitavo fomos a pé. Sobre a muralha há tipo umas casinhas, são as plataformas para sinal de fogo, utilizadas pelos soldados para avisar sobre invasões inimigas. É bem alto, tivemos que andar bastante, deu até para diminuir o frio. A caminhada pelo muro é sensacional! A muralha é muito linda! Fantástica!


Havia muitos turistas, maioria chineses. Não faz muito tempo que os chineses conseguiram liberdade e condições financeiras para viajar e o que vemos é uma multidão chinesa buscando conhecer o próprio país.


Depois de subir a muralha e desfrutar um pouco da paisagem, hora de voltar para o ônibus. Na volta, paramos perto da nossa próxima atração turística: a Vila Olímpica!


Quando chegamos, já estava escurecendo e, aos poucos, as luzes foram se acendendo. Entramos no Ninho do Pássaro, que estava cheio de neve artificial para a distração dos turistas, e de lá aproveitamos para apreciar o Cubo D’Água já todo iluminado. Lindo! Depois saímos e ficamos tirando muitas fotos. Para a decepção do Fre, não conseguimos entrar no Cubo...uma pena. Demos uma passadinha na lojinha e fomos à caça de um taxi para o hotel.


Na rua do hotel (o taxista acertou o endereço depois de ligar para o telefone de lá - pelo menos esse era esperto, apesar de desnorteado) havia várias barraquinhas enfileiradas e fomos lá para conhecer. À venda, como petiscos, vários dos famosos espetinhos exóticos: de escorpião, estrela-do-mar, ouriço, pupa, lagarta, cigarra, cobra, esperança... um monte de coisa esquisita. Os vendedores viam que era turista e iam logo oferecendo o que eles tinham de mais nojento! Comecei a observar e percebi que, mesmo tendo um monte de chinês lá, nenhum deles estava comendo nada daquelas coisas esquisitas e percebi também que os vendedores só ofereciam esses espetinhos exóticos aos turistas. Falei para o Fre que se eu visse um só chinês comendo um espetinho esquisito, eu compraria um também! Desafio lançado! Ficamos um bom tempo lá observando e nada! Então compramos espetinho de frutas com calda de açúcar mesmo. Muito bom! Riso

 

Em Changling, a estátua do imperador com ofertas em dinheiro

 

Um pouco da fantástica Muralha da China

 

Vila Olímpica de 2008- à esquerda o Ninho do Pássaro e à direita o Cubo D'Água

 

Alguns dos espetinhos esquisitos




 Escrito por Jeanne às 22h32
[] [envie esta mensagem] []



Natal em Pequim

Veja só:

a)    Pequim no fim de semana – temperatura em torno de -13ºC (13 graus abaixo de zero!!!), com sensação térmica de -18ºC! M U I T O  F R I O ! !


b)    Xangai no fim de semana – temperatura em torno de 2
ºC (praticamente verão)


Adivinha onde nevou?


Xangai!


Adivinha onde nós estávamos?


Congelando em Pequim!...Quanta injustiça! Triste


Tudo bem, isso foi só um detalhe. Exceto ele, o nosso feriadão em Pequim foi sensacional!


Antes da viagem, no dia 24, foi a revelação do amigo X da turma. O Naga, esposo da Ju, me tirou e me deu um jogo de chá. Eu tirei a Ju e dei o quê? Um jogo de chá! Iguais, mas com desenhos diferentes! Foi muito legal! Nossa ceia foi com pizza, chocolate, coca-cola e bebida chinesa. Diferente, não? Ficamos conversando um pouco e depois viemos para casa descansar porque no outro dia bem cedo o avião rumo a Pequim nos aguardava!


Voo cedo pra Pequim! Assim que chegamos na cidade, tivemos um probleminha no hotel. Na semana passada fomos renovar o visto e o passaporte precisou ficar na polícia, de onde só poderíamos retirá-lo no dia de natal. Como já tínhamos programado a viagem a Pequim para esse dia, pegamos uma autorização com foto e carimbo da polícia (o “papelporte”), com isso poderíamos sair da cidade sem problemas. Acontece que no hotel não quiseram aceitar nosso papelporte, mesmo sendo válido até março, porque estava escrito que poderíamos buscar dia 25. A gerente não entendeu a diferença de “poder buscar” e “dever buscar”, não queria aceitar nosso documento e ligou até para a polícia, que deu razão a ela (sabe-se lá o que ela explicou). A gerente até sugeriu que fôssemos buscar o passaporte no sábado!! Que idéia brilhante a da moça, hein?! É fácil mesmo! A gente dá um pulinho em Xangai no sábado para buscar os passaportes e depois volta pra terminar de curtir o fim de semana em Pequim! São só 2 horas de avião mesmo! E o dinheiro da passagem é só um detalhe...Quando ela deu essa sugestão eu confesso que fiquei bastante irritada. Sem noção! O Slompo telefonou para a Sharon, funcionária da empresa que havia nos garantido que não teríamos problemas com o papelporte, ela ficou um tempão conversando com a “gerente gente boa” e resolveu o problema, garantiu que buscaria nossos passaportes e enviaria a cópia por fax para o hotel. Pronto, agora podemos começar o nosso passeio! – Só para adiantar, nem na ida e nem na volta tivemos problema algum com o papelporte no aeroporto, o que comprova que foi pura ignorância da gerente do hotel.


Fomos procurar um lugar para almoçar e só havia restaurantes de comida chinesa nas redondezas. Entramos em um e fizemos os pedidos, dentre eles, havia dois bem exóticos: bambu (muito gostoso, lembra gosto de palmito) e carne de burro (muito ruim!). Depois do almocinho, uma voltinha pelas redondezas do hotel, que fica bem próximo à Cidade Proibida. Pouco tempo foi mais que suficiente para nos assustarmos com o frio. Cerca de onze graus negativos e sensação térmica de ainda menos por causa do vento congelante. Fizemos um passeio curto em volta do lago congelado, o Fre comprou um chapéu de comunista que deixa as orelhinhas bem quentinhas, fechamos o passeio do dia seguinte com o pessoal de uma barraquinha de turismo e voltamos ao hotel para reforçar a roupagem! Após vestir todas as roupas da mala, saímos de novo.


Nós queríamos assistir à famosa Ópera de Pequim. Avisados sobre a dificuldade de conseguir taxi, pedimos à recepcionista do hotel que chamasse um para nós, mas ela nos disse que não adiantava pedir, pois eles não vinham...- Legal! – Fomos para a rua caçar um à unha mesmo. Demorou um pouco, mas não muito. Entramos no taxi: Slompo, Fábio, Fre e eu. O teatro ficava num hotel e tínhamos o nome da rua escrito em chinês já para não termos problemas com o taxista...quem dera fosse o suficiente! O taxista balançava a cabeça como quem não tem noção do destino, um outro chinês estava próximo e ficou tentando explicar para o motorista como chegar (isso porque a tal da ópera é muito famosa!)...mesmo não muito convencidos, entramos no taxi. Ele andou um pouco e nos deixou num lugar. Pagamos e saímos. Não era ali. Fomos perguntando pra um monte de gente na rua, ninguém falava inglês, ninguém sabia onde era o tal hotel, ninguém entendia quando começávamos a cantar imitando a ópera (hehe...isso era engraçado)...óh, céus! Uma lojista entendeu e reescreveu o endereço para nós. Mostramos para mais um rapaz que passava na rua e ele, surpreendentemente, nos ofereceu carona até lá! E agora, será que tem algum perigo? Faltavam apenas 15 minutos para o início do show e lá fomos nós para o carrão do chinês. Ele sabia bem pouco inglês (quase nada) e ficava falando em chinês sozinho. De repente ele estacionou o carro e saiu com a gente a pé pelas ruas perguntando em chinês onde ficava o teatro. Depois de andar um pouco, achamos!! Êeeee!!!! O bom samaritano, versão chinesa, nos deixou lá dentro e se foi... caiu do céu esse aí!


Estávamos alguns minutinhos atrasados, mas conseguimos entrar. Foi diferente do que esperávamos, mas foi legal conhecer. O primeiro ato foi no estilo “Os Trapalhões”, onde dois guerreiros lutavam no escuro; no segundo, uma moça tentava atravessar o rio para se encontrar com o seu amor e cantava com uma vozinha beeem aguda, mas a encenação do movimento do barco que ela e o velho dono do barco faziam era legal; no terceiro ato a mulher precisava pegar uma erva no topo da montanha para salvar a vida do esposo e as acrobacias que ela fez foram o ponto alto de todo o show.


Depois do show, voltar pra casa foi outra novela, com outro taxista sem rumo. Isso porque estávamos numa rua super bem localizada! O motorista percebeu que não poderia fazer uma manobra e que teria que fazer um contorno que ficava mais distante, então ele queria que descêssemos!! Como assim? Estava meio longe ainda do hotel e ele estava com preguiça de ir até lá?! Ficamos todos lá dentro do carro, ninguém saiu! Quando ele percebeu que não sairíamos, foi lá, fez o contorno e nos deixou na rua do hotel. Ufa! Era hora de descansar porque o próximo dia prometia: a fantástica muralha da China! Logo logo eu conto aqui!

 

Ju, eu e nossos jogos de chá

 

Prato do dia: bambu!

 

Lago e eu congelados em Pequim

 

Rua perto do hotel

 

Famosa Ópera de Pequim



 Escrito por Jeanne às 22h00
[] [envie esta mensagem] []



Feliz natal!!!!

Queridos amigos,

Na onda do ElfYourself, fizemos um cartão de natal para vocês. Para visualizá-lo, cliquem no link abaixo:

http://elfyourself.jibjab.com/view/27lpn3H4PJV7jEDTzXmM

 

Um natal muito feliz para todos!!!



 Escrito por Jeanne às 11h46
[] [envie esta mensagem] []



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]